Pesticidas e Aves Marinhas

Atualizado: 26 de Mar de 2019

Por  Jana del Favero e Fernanda I. Colabuono

Ilustração: Joana Ho


   Pesticidas (ou praguicidas) são substâncias, misturas de substâncias, ou até mesmo agentes biológicos (como um vírus ou uma bactéria), capazes de prevenir, combater ou exterminar espécies que causem danos durante a produção, colheita e armazenamento de alimentos, ou que causem danos à saúde pública (ex. insetos vetores de doenças). São importantes na agricultura, pois ao controlarem pragas, promovem um aumento na produtividade e/ou na qualidade do alimento. Porém, seu uso indiscriminado provoca vários problemas ambientais e para a saúde humana, uma vez que são tóxicos também para as espécies não-alvo, ou seja, para uma infinidade de outras espécies, além de mim, você e as aves marinhas, que focaremos nesse post. Muitas vezes são nomeados de acordo com o tipo de praga que eles atacam, exemplo: inseticidas para o controle de insetos, herbicidas para o controle de ervas daninhas, fungicidas para fungos, entre diversos outros nomes. Já agrotóxico, que comumente escutamos, é o termo legal e está definido na Lei 7802/89, também chamada Lei de Agrotóxicos. Eles podem ser classificados em agrícolas ou não agrícolas (saiba mais sobre aqui).


   O transporte de agrotóxicos do solo para os corpos de água ocorre, principalmente, devido ao escoamento superficial gerado pela ação da chuva ou irrigação do cultivo. Uma vez que atingem os rios, estes funcionarão como uma “via expressa” transportando os agrotóxicos até os oceanos. Como muitos pesticidas são compostos com alta estabilidade química, ou seja, dificilmente são degradados ou metabolizados, eles persistem no ambiente por muito tempo. Assim, podem ser transportados por longas distâncias e ocorrer até mesmo em regiões onde nunca foram produzidos ou utilizados, como na Antártica!


   Uma vez nos oceanos, os pesticidas são absorvidos pelo plâncton (lembre deles aqui) e são transportados, através da alimentação, para níveis tróficos superiores, num processo denominado biomagnificação. Um exemplo de biomagnificação é apresentado na figura abaixo, onde é possível ver como a concentração de um pesticida (o DDT) em ppm (partes por milhão) aumenta a cada nível trófico: zooplâncton [0,04 ppm] < peixes pequenos [0,5 ppm] < peixe grande [2 ppm] < aves [25 ppm]. É importante lembrar que muitos peixes e aves possuem hábitos migratórios, servindo como meio de transporte de pesticidas para outras regiões.

Exemplo de biomagnificação de DDT em uma cadeia trófica

   Um dos pioneiros e mais famoso pesticida, o DDT (sigla de Dicloro Difenil Tricloretano e formadora do verbo dedetizar), foi amplamente usado durante e após a Segunda Guerra Mundial para o combate de mosquitos causadores de malária e tifo, por ser barato e altamente eficiente a curto prazo. Porém, a longo prazo tem efeitos nocivos ao meio ambiente, como alarmado pelo bióloga norte-americana Rachel Carson em seu livro “Primavera Silenciosa”, que afirmava que DDT causava a diminuição da espessura das cascas de ovos, resultando em problemas reprodutivos e em morte das aves. O livro “Primavera Silenciosa” auxiliou no banimento do DDT nos Estados Unidos na década de 70, seguido por diversos outros países ( foi apenas em 2009 que o banimento ocorreu no Brasil!).


   Por mais que o DDT tenha sido banido na maioria dos países há décadas e nunca tenha sido usado na Antártica, em seu trabalho de pós-doutorado, a Fernanda analisou ovos de algumas espécies de aves antárticas, como pinguins, petréis e skuas, e constatou a presença de DDTs e de outros pesticidas nos mesmos, ilustrando bem como essas substâncias persistem no ambiente e atingem até mesmo áreas remotas.


   Mas não pense que a transferência pela cadeia trófica (conforme mostrado na figura de biomagnificação) é a única forma dos pesticidas atingirem as aves. Atualmente nós, seres humanos, incluímos mais um item alimentar no cardápio das aves marinhas: OS PLÁSTICOS! As aves marinhas, acidentalmente, confundem o plástico com algum item alimentar e os ingere, causando diversos danos ao indivíduo (ex. obstrução do trato digestório, diminuição do estímulo alimentar etc). Além disso, os plásticos adsorvem os pesticidas (ou seja, as moléculas da substância em questão ficam aderidas/fixadas na superfície do plástico). E Bingo!... Além de todo o dano causado pela ingestão do plástico por si só, as aves ainda estão consumindo plásticos cobertos de pesticidas e outros poluentes! Em um trabalho publicado em 2010, a Fernanda e seus colaboradores avaliaram os objetos plásticos ingeridos por aves amostradas no sul do Brasil, e constatou a ocorrência de pesticidas nos mesmos.

Foto: Chris Jordan - Filhote de Albatroz encontrado morto com plásticos no estômago.

   Infelizmente, a concentração de pesticidas vem aumentando ano a ano, sendo os mesmos encontrados no solo, na atmosfera, nas águas, e nos seres vivos. O Brasil é um dos maiores consumidores de agrotóxicos do mundo, com o uso indiscriminado de pesticidas em muitos casos. Esse quadro precisa mudar. As aves marinhas e a sua saúde agradecem!

Para saber mais:


Colabuono, F.I., et al. (2010) Polychlorinated biphenyl and organochlorine pesticides in plastics ingested by seabirds. Marine Pollution Bulletin 60, 630-634. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0025326X10000366


Colabuono, F.I., et al. (2015). Organochlorine contaminants and polybrominated diphenyl ethers in eggs and embryos of Antarctic birds. Antarctic Science 27(4), 355–361. doi:10.1017/S0954102014000807


Colabuono, F.I., et al. (2016). Persistent organic pollutants in blood samples of Southern Giant Petrels (Macronectes giganteus) from the South Shetland Islands, Antarctica. Environmental Pollution 216, 38-45. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0269749116304298.


Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde / Organização de Fernando Ferreira Carneiro, Lia Giraldo da Silva Augusto, Raquel Maria Rigotto, Karen Friedrich e André Campos Búrigo. - Rio de Janeiro: EPSJV; São Paulo: Expressão Popular, 2015. 624 p. Disponível em: http://www.abrasco.org.br/dossieagrotoxicos/wp-content/uploads/2013/10/DossieAbrasco_2015_web.pdf


A Fernanda Colabuono já publicou outro post aqui no Bate-Papo, relembre: Pesquisando nas ilhas remotas do Brasil


#agrotóxicos #avesmarinhas #ciênciasdomar #pesticidas #plâncton #plástico #janamdelfavero #FernandaIColabuono

0 visualização

RECEBA NOSSOS EMAILS

whatsapp-logo-1.png

Clique no ícone e entre no nosso Grupo do Whatsapp!

© 2019 por Bate Papo com Netuno. Criado com Wix.com por Júlia Gonçalves

  • Preto Ícone Twitter