Pós-graduação e gravidez: Parte I

Atualizado: 2 de Fev de 2019

Por Andréa Green Koetker


Duas coisas que parecem não combinar muito, ou nada na verdade, doutorado e gravidez. Engana-se redondamente quem pensa assim…

Defendi meu doutorado com uma barrigona de 34 semanas e foi simplesmente maravilhoso!!! Não porque a banca pegou leve na arguição, até mesmo porque de leve não teve nada! Foram cinco horas de ‘sabatina’ e discussões, por vezes até acaloradas. Mas sim, porque a gravidez me trouxe a serenidade necessária para concluir o doutorado com êxito, mas sem arrancar os cabelos e com as unhas intactas. Mas deixa eu voltar um pouquinho...


Fazia um tempo que eu e meu marido queríamos ter um filho. Já estávamos casados há alguns anos, mas sempre adiávamos por causa do trabalho e pós-graduação. Estava no último ano do doutorado na USP, em Oceanografia Biológica, quando decidimos não esperar mais. Adiantei toda a parte de laboratório, pra ficar o mais longe o possível de formol e outros produtos químicos e, com os dados em mãos, começamos as tentativas, achando que demoraria pelo menos uns seis meses. Que nada... um mês depois, em setembro de 2012, estava gravidíssima e o primeiro sintoma já veio com tudo, sono, MUITO sono. Mas era um sono assim INCONTROLÁVEL, que vinha a qualquer hora do dia e eu era OBRIGADA a desmaiar na cama. Aí me desesperei... pensei em trancar o doutorado para terminá-lo depois que o Bernardo (até então sem nome e sem sexo) nascesse. Pedi conselho para vários professores e todos me disseram: ‘termina antes, depois é muito mais complicado’. Ainda bem que dei ouvido a esses sábios cientistas.

Depois dos três primeiros meses tudo mudou, o sono passou e conseguia trabalhar horas a fio em casa, no meu computador, trocando mensagens com meu orientador por e-mail e Skype, visto que já não morávamos mais em São Paulo, tínhamos voltado pra nossa terra, Florianópolis. Em fevereiro de 2013 a tese estava pronta, fui para São Paulo para imprimí-la e depositar as cópias e enquanto meus amigos comemoravam com muita cerveja eu brindava com meu singelo e adocicado suco de fruta.


Depois disso fiquei um mês e meio curtindo muito a gravidez, indo pra praia, preparando o quarto do Bernardo, todo o enxoval, fazendo yoga, caminhadas e, quando faltavam duas semanas para a defesa comecei a preparar a apresentação. Terminei no quarto do hotel em SP, na caixinha, como eu e meu marido chamávamos o Ibis Budget. Cinco minutos antes da defesa estava tomando café na cantina do IO (Instituto Oceanográfico). Detalhe: quanto mais no final da gravidez, mais desligada você fica... Até que alguém me falou: vamos lá Déa, tá na hora. Eu costumo ficar nervosérrima ao apresentar trabalhos, mas logo nesse, minha tão temida defesa de DOUTORADO, foi tudo muito tranquilo. O Bernardo ficou lá quietinho, feito um anjo, que ainda é, e eu consegui focar muito bem no que estava acontecendo. Depois de quase uma hora de apresentação, quatro de arguição, três pausas para banheiro e uma para lanche da esfomeada grávida eu me tornei doutora em Ciências. A famosa comemoração pós-defesa, com muitos comes e mais ainda bebes foi, na verdade, um chá de bebê que minhas amigas prepararam carinhosamente.

Voltei para Floripa com o dever cumprido. Um mês e meio depois o Bernardo nasceu, de parto normal, em casa, à luz de velas, com sonzinho rolando, dentro de uma piscina plástica com meu marido ao nosso lado e minha irmã como enfermeira obstetra chefe da equipe de parto domiciliar (Hanami). Já nas primeiras semanas tive a constatação de que teria sido loucura ou, no mínimo, muito mais complicado, deixar para terminar o doutorado com o Bernardo demandando todo o meu tempo. Era um ciclo contínuo de aproximadamente duas horas que incluía dar de mamar, colocar para arrotar, trocar a fralda, interagir e dormir; dar de mamar, colocar para arrotar, trocar a fralda, interagir e dormir e assim sucessivamente.

Mas a veia científica e as horas que passei com meu grande amigo computador não me deixavam abandoná-lo assim, tão subitamente. Me dediquei a uma última apresentação no power point, contendo 25 slides e 70 fotos, tudo bem formatado e explicado, na qual relatei aos meus grandes amigos de São Paulo tudo o que vivenciei durante a gravidez, trabalho de parto e duas primeiras semanas de existência do Bernardo. Merecia um prêmio de melhor apresentação rsrs.


Meu conselho às futuras mães cientistas: não adiem a gravidez, se o corpo e a mente pedem é porque está na hora e, se está na hora, a gente dá um jeito.

Sobre Andréa: 

Fez graduação em Ciências Biológicas pela UFSC, mestrado e doutorado em Oceanografia Biológica pela USP, sempre trabalhando com ecologia de larvas de crustáceos decápodes. Se você quer saber mais sobre sua vida profissional acesse seu currículo lattes.






#mulheresnaciência #andréagreenkoetker #convidados #filhos

0 visualização

RECEBA NOSSOS EMAILS

whatsapp-logo-1.png

Clique no ícone e entre no nosso Grupo do Whatsapp!

© 2019 por Bate Papo com Netuno. Criado com Wix.com por Júlia Gonçalves

  • Preto Ícone Twitter