É possível distinguir diferentes baleias assim como nós sabemos reconhecer as pessoas?

Atualizado: 3 de Fev de 2019

Por Liliane Lodi


Foto-Identificação:  A identidade de cada animal


As baleias-de-bryde são identificadas com base no perfil de suas nadadeiras dorsais, através da presença de cortes e cicatrizes, utilizando uma técnica chamada de foto-identificação. Os cortes e cicatrizes da nadadeira dorsal têm características únicas. Nenhuma baleia é igual a outra. Estas marcas assemelham-se às nossas impressões digitais ou a um código de barras.

A baleia-de-bryde é regularmente avistada na região Sudeste (Rio de Janeiro e São Paulo) em áreas próximas à costa em especial na primavera, verão e outono, pois não é uma espécie migratória como as outras baleias. Perfil característico de uma baleia-de-bryde na superfície.

Nos últimos 40 anos a técnica de foto-identificação tem sido utilizada para estudar inúmeras populações de golfinhos e baleias no mundo inteiro. Trata-se de uma técnica não invasiva ou hostil, uma vez que o animal não precisa ser fisicamente capturado ou marcado. Basta obter boas fotos de sua nadadeira dorsal.

No Brasil existem registros confirmados desde o Rio Grande do Sul até a Bahia, e também nos estados da Paraíba e do Maranhão. A baleia-de-bryde ocorre tanto em áreas costeiras quanto em regiões oceânicas. A coloração cinza-escuro prateada uniforme no dorso e seu corpo esguio a torna uma das mais belas baleias.

Durante as interações inter e intraespecíficas dos indivíduos, ou ainda como resultado do impacto com certos elementos humanos (tais como redes de pesca e hélices de embarcações) e ambientais (interação com o fundo), a nadadeira dorsal pode sofrer alterações resultando em padrões reconhecíveis de cortes e cicatrizes permanentes ao longo do tempo.

Cortes e cicatrizes quando presentes na nadadeira dorsal nunca são iguais. É como se fosse uma impressão digital, o que permite o reconhecimento de animais diferentes.

A melhor fotografia de cada baleia (selecionada como aquela em que a nadadeira dorsal está mais em foco e perpendicular à câmara, em alta resolução) de uma dada ocasião é considerada como uma avistagem (captura).  À medida que este indivíduo identificado for observado em outras oportunidades trata-se de uma reavistagem (recaptura). Com este procedimento é possível construir um álbum ou um catálogo fotográfico.


Estudos de foto-identificação fornecem informações importantes que ampliam o conhecimento sobre as baleias que servem de base para a elaboração de estratégias de conservação. Além do trabalho desenvolvido por investigadores especializados, a participação pública pode adicionar informações importantes a este tipo de estudo. 

Baleia-de-bryde deslocando-se entre lixo sólido flutuante. As principais ameaças incluem as capturas acidentais em redes de pesca, degradação e perda do hábitat, poluição (doméstica, química e sonora), colisão com embarcações e molestamento intencional.

Como os pesquisadores não podem ter olhos em todos os lugares, foi criado em dezembro de 2017 o Programa de Pesquisa Participativa Brydes do Brasil, uma parceria entre o Projeto Baleias e Golfinhos do Rio de Janeiro e o WWF-Brasil. O programa é aberto não só para pesquisadores, mas também para ambientalistas, amantes da natureza, praticantes de esportes náuticos e quem mais quiser participar. É como se estivéssemos treinando novos olhos de pesquisadores em baleias!

Objetivos do Programa de Pesquisa Participativa Brydes do Brasil

  • Mobilizar e envolver a sociedade na pesquisa científica participativa;

  • Elaborar uma base de dados de baleias-de-bryde foto-identificadas em águas brasileiras, através de um acervo fotográfico concentrado;

  • Identificar, comparar e quantificar novas ocorrências das baleias-de-bryde identificadas em uma mesma área;

  • Determinar os deslocamentos da baleia-de-bryde na costa brasileira e áreas chave para à conservação da espécie;

  • Reunir registros para posterior análise objetivando entender se a(s) população(ções) está(ão) em decréscimo, mantida(s) ou aumentando, e;

  • Conscientizar sobre a necessidade da conservação das baleias-de-bryde e do uso sustentável de nosso litoral como seu habitat.


Como participar

Você não precisa ser um pesquisador para aprender como fotografar adequadamente uma baleia-de-bryde para propósitos de identificação individual em registros que possam ser de fato aproveitados em prol da conservação desses animais. Assim, se você deseja auxiliar na pesquisa sobre as baleias-de-bryde, torne-se um colaborador da rede!


Os resultados obtidos por esse banco de dados compartilhado pode fazer a diferença na conservação da espécie no Brasil!


Obtenção das fotos

As dicas para a obtenção de fotos de qualidade da nadadeira dorsal, de modo que possam permitir a identificação individual segura das baleias-de-bryde brasileiras, podem ser conferidas no web site.


As fotografias submetidas serão analisadas e as consideradas de boa qualidade serão integradas numa base de dados a partir da qual é construído o catálogo compartilhado. O autor das imagens mantém todos os direitos sobre as mesmas.


Quem tem olhos para ver e anda bem informado e equipado será sempre o fotógrafo mais premiado!


A Portaria do IBAMA n.º 117, de 26 de dezembro de 1996 define normas para evitar o molestamento intencional de cetáceos em águas jurisdicionais brasileiras. Sempre siga o protocolo de observação de baleias e não as perturbe para obtenção de fotografias.


Além dos detalhes e orientações para a identificação dessas gigantes, o web site também conta com espaços interativos para compartilhar fotografias, vídeos, artigos, textos de divulgação científica, notícias na mídia e outras informações relevantes sobre a espécie.


Navegue nesta onda: Conheça - Participe - Colabore - Divulgue!

Para saber mais:


- Programa de Pesquisa Participativa Brydes do Brasil

http://brydesdobrasil.com.br (Formatos: celular, tablet e computador)

E-mail: contato@brydesdobrasil.com.br





- Facebook: Onde estão as Baleias e os Golfinhos? https://www.facebook.com/groups/baleiasgolfinhos.rj


- Instagram: @baleiasegolfinhosdorj


- Portaria do IBAMA n.º 117, de 26 de dezembro de 1996

http://www.ibama.gov.br/sophia/cnia/legislacao/IBAMA/PT0117-040901.PDF

















Sobre Liliane Lodi:


Doutora em Biologia Marinha trabalha com ecologia de cetáceos, com ênfase em distribuição, uso do habitat, comportamento e conservação. É administradora do grupo do Facebook “Onde estão as Baleias e os Golfinhos?” e do Programa de Pesquisa Participativa Brydes do Brasil direcionados à área de Ciência Cidadã. É coordenadora do projeto de pesquisa Baleias & Golfinhos do Rio de Janeiro (Instituto Mar Adentro, WWF-Brasil e Fundação SOS Mata Atlântica).


#baleias #brydesdobrasil #ciênciasdomar #convidados #golfinhos #LilianeLodi

77 visualizações

RECEBA NOSSOS EMAILS

whatsapp-logo-1.png

Clique no ícone e entre no nosso Grupo do Whatsapp!

© 2019 por Bate Papo com Netuno. Criado com Wix.com por Júlia Gonçalves

  • Preto Ícone Twitter